domingo, 28 de dezembro de 2008

Alone, alone, alone!

Para mim acabou a graça de brincar de boneca, de montar casinha, de amar. Cansei-me de tudo que um dia amava. Parece que mais nada tem o mesmo brilho. As pessoas me cansaram. Não sei se preciso de ares novos ou mudar. Não consigo acreditar no que me dizem. As pessoas são tão cruéis, tão podres, tão desumanas. São comuns, iguais. Irritantes. Não preciso sair do meu canto para me divertir. Isso pode ir, mas deixe-me aqui sozinha. Eu necessito isso! Eu gosto de sonhar, fazer novas cantigas, mas sozinha. Eu não preciso de ninguém, nem nunca precisei. Apenas isso, deixe-me sozinha. Não preciso de amor, de notícias, de fama, de dinheiro. Preciso a mim mesma, como nunca precisei tanto de alguém.


Drivin' me wild.

domingo, 21 de dezembro de 2008

Excuse me, could I change?

Querer, conseguir, entediar-se, querer algo novo. Simples assim, ou nem tanto. Viver é isso, de uma rápida mudança em tudo. Mudança de pessoas, objetos, idéias, crenças. O “desejar” é fundamental e o “cansar” mais ainda. Imagine só viver em um mundo onde tudo seria do mesmo jeito para sempre? E por que é tão difícil as pessoas aceitarem mudanças? Elas se prendem em algo inexistente, que apenas sobrevive na mente, o tão glorioso ou fracassado, passado. E esquecem que existe o agora, a realidade, o hoje. Mude. Pode ser pra melhor ou pior. Mas tente caminhos novos, mas não se arrependa e nem queira voltar ao tempo para fazer o que não foi feito, lembre-se: isso é passado. Viva o hoje, sem a dor do ontem e o medo do que pode acontecer amanhã. Apenas viva, enquanto há tempo.

Drivin’ me wild.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

People.

A vida foi mudando. Aprendendo com os erros, alguns que até não havia conserto, mas outros que houveram o perdão, mas também aqueles que não perdoamos a pessoa mais importante: a nós mesmos. Pessoas foram, pessoas chegaram, algumas até voltaram. Sinto saudade de coisas pequenas que mudaram. Saudade de alguns abraços, de algumas manhãs sonolentas. De repente você sente a dor da saudade que não faz nada reviver novamente. Tiveram pessoas que senti um apego imaginável, e na outra semana, nunca mais as vi. Mas outras que eu nunca pensei em amar são tudo para mim. A vida continua mudando. Há pessoas que me deram um sorriso como ajuda e depois uma punhalada pelas costas. Pessoas grandes, digo no sentido de pensar, aquelas que me ensinaram um outro jeito de olhar pela janela e ver o que existe realmente lá fora. Pessoas que foram pra nunca mais voltar. A vida vai mudar, assim como as pessoas. Também existem as pessoas "ninguém". Pessoa do sorriso, do abraço. Pessoas alegres, depressivas. Pessoas que precisam de amor, assim como eu e você.

Drivin' me wild.