segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Fake, fake, fake

Disfarçando essa minha pobre angústia com esses sorrisos falsos. Uma poesia é muito convidativa do que um texto reto, assim como as pessoas. Ai mundinho sujo feito de aparência, agora me dei conta que faço parte de você! Carne. Pedaços de carne viramos, algumas preparadas ao molho com carinho e outras viram restos, um quitute. As pessoas viraram isso. Material. Pedaços de plástico, silicone e remédios. Somos isso. O resumo do ser humano é isso. Por isso que hoje me completo de mim. Quando se aprende a viver sozinho, tudo fica mais simples.

Carolina Cancela.

Um comentário:

Jordana disse...

Direta... talvez eu necessita disto, como você faz em sua escrita...

sumida de meu blog e msn quanse impossível falar com você, garota!

haha... mas me faz feliz saber q você ainda escreve assim, direta.

Beijos.