quinta-feira, 30 de abril de 2009

Bem, meu bem...

Hoje cansei-me de todos os homens
Sempre com os mesmos uniformes, meu bem.
Eles estão alí sentados,
Esperando ser chamados de meu bem.

Eu fico aqui o tempo todo
Um milhão e meio morto, pra lá.
Mais um aqui caiu de novo
E só me importo se eu vou chegar.

De que me vale essa vida
Se ela é tão sofrida?
Do menino feio desnutrido, tiro a alegria.

Do meu verde, tiro o amarelo.
Só me importa o elo com o meu bem.

Venha cá meu senhor,
Diga que está tudo bem, meu bem!
Vá embora, bem agora,
antes que fique sem o seu bem, meu bem...

Carolina Cancela

terça-feira, 28 de abril de 2009

Egocentrismo da realidade

"Oh meu deus, mais uma peste chegou". As pessoas tomaram consciência agora? Será que até hoje nunca tiveram medo que alguma bomba explodisse aos seus corações? Ou sempre tem que haver algo que chegue a nossa realidade para podermos ter uma mínima noção do mundo em que vivemos? Somos todos ruins, do começo ao fim. Monstros e exterminadores de nós mesmos. Superfícies belas para uma base horrenda. Simples assim. A consciência entre nós só acontece, quando alguém que amamos sofre.

Carolina Cancela

segunda-feira, 27 de abril de 2009

É para sempre

Não sei se é desgosto, decepção, ou sei lá o que. Vou caindo na minha solidão profunda, e não por favor, não tire-me de lá! Quero cair para todo o sempre, e poder nunca mais voltar. A minha revolta interna pelo mundo nunca há de acabar, é algo necessário para sobreviver. De todas minhas lágrimas, ainda sinto saudade. De todos os sorrisos, nem acho que valeram mesmo a pena. A minha e a nossa escravidão perpétua da vida, nunca há de acabar.

Carolina Cancela

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Apenas hoje

Decidi hoje amar aos meus amigos.
Decidi hoje amar ao mundo.
Decidi hoje amar ao presente, e esquecer o futuro.
Decidi hoje amar a vida.

Quer enganar a si mesma?!


Carolina Cancela

domingo, 19 de abril de 2009

Mais uma vez...

Ontem quase que por vez, tentei. Mas não pude. Não sei por que não, se já não me falta mais nada. Mas pensei. Seria isso pecado contra mim mesma? Mas dói-me, e ninguém entenderia o quanto e o por quê.

Carolina Cancela.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Ser humano, ser mulher

Ser mulher, o bem maior.
Um dom, uma beleza inacreditável.
Sutil, algumas até que fútil.
Encanto, formosura, perfeição divina.
E se pudesse não ser homem na próxima vida, agradeceria.

Carolina T. Cancela

Brincar de ser gente grande

Quando se é uma menina pura o amor parece presumível, verdadeiro, acreditável, diria eu. Quando se torna uma mulher o amor é platônico, besteira, infantilidade. Não sou nenhuma das duas coisas, nem menina, nem mulher. Mas sou gente. Amor de gente grande não me encanta. É tão superficial, é tudo de mentirinha. Vocês sim brincam de casinha! A criança ama pelo fato de ser. A mulher ama pelo fato de estar. O homem deveria amar pelo fato de ser, estar e realmente amar. Mas o amor virou mentira. Das mais feias e cabeludas. Amor de criança sinto falta dos que tive, e dos que ainda tenho. Mas esses que estão por surgir dão-me medo. Como todos aqueles meus medos...

Carolina T. Cancela

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Alteração suspeita

Sinto que lhe amo de uma maneira
Inovadora para o meu coração.
É ingênuo, e belo.
Esplendido, singular em mim.

Dá-me medo de te fazer padecer sobre mim
Nesses meus braços acolhedores,
Até demais.

Mas sei, e tenho como única certeza,
Um coração cheio de remendos para lhe dar.

Carolina Cancela

terça-feira, 14 de abril de 2009

A minha alegria periódica está se corroendo, acabando. Aliás, ainda resta algo?

Carolina Cancela.

domingo, 12 de abril de 2009

Período de felicidade

No meu desapego constante
Na minha felicidade inconstante.
No meu viver amargo
Na minha dor completa.

Eu apenas anseio por um momento
Nunca ter errado.
Por um momento ter feito alguém feliz.
Por um momento, ser feliz.

Carolina Cancela.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Que assim seja!

Já fui a que sofri, até demais.
Agora faço sofrer, até demais.
Entre os mais e menos,
O talvez é sempre quem resisti.

Desculpe-me, não era bem assim...
Ou era?
Sou uma farsante.
Farsante de sorrisos, amores, felicidade.

Sou fada da consternação, amargura.
Assim sou.
Toda jururu comigo mesma, ali sentada,
Esconde de mim e dos outros.

Mas às vezes não sei se é bem isso...

Carolina Cancela.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Cansada de cansar

As pessoas andam cansadas. Sempre estão cansadas. Param ali, e nunca. Tomam um café, energético, guaraná. Tarja preta, e se você tiver sorte pode ser a vermelha. As pessoas se drogam, mas não são drogas ilegias. São remédios. Remédios caros, do posto. Remédios que tiram vidas. Remédios pra não cometer suicídio. Remédio. Qual seria o melhor remédio pra minha vida? Esquecem a si mesmo, esquecem aos outros. Estão exaustos. Ai meu deus, amanhã começa tudo de novo. Desespero. Cansaço.

Carolina Cancela.

sábado, 4 de abril de 2009

Acompanhe-me donzela

Nesse teu jeito meio menina
Metamorfoseou minha vida.
Teu sorriso donzela, és bela.
Encanta-me!

Nos teus lindos olhos
É onde queira eu viver
Esbanjar felicidade ao teu lado
Existir aí, mas tenho receio.

Chamam-me de demente
Se disser que só sei pensar em ti.
Ah, na baía de teus olhos,
Que arrebentam ao meu pudor.

Você assim, toda branda
Diga-me novamente, apenas,
Que ainda me ama.

Arthur Azevedo

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Sois assim

Sois assim, bela, amada.
Majestosa pátria, terra adorada.
Dos teus índios, negros, brasileiros;
Dos teus homens, tuas mulheres.

No raiar de teu sol
O dia alegra, mesmo a quem não tem sentido.
Se tiveres dificuldades, agüentemos.
Se chorares, aparemos.

Poderia andar ao mundo sem ti
Mas volto ao berço da mãe apreciada.
Nostalgia do cheiro de barro, de mato, de asfalto...
Saudade...

Os teus olhos verdes, meio azulados...
Lembram-me a mãe, morena.
Deixa-me afortunado ao ver-te.
Sois assim, bela, amada.

E se um dia afastar-me daqui
Chame-me de alucinado, insano!
Pois é aqui, o único lugar que hei de ser feliz.

Carolina Cancela.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Drivin' me Wild!

"Você me perturba com esse teu estado de espírito alterado", é o que o espelho me diz.