sexta-feira, 8 de maio de 2009

Necessidade

E parece que deles
Mais nenhum há de vir.
A quem se entrega a dor
A receba.

Esgotei-me de tudo.
Deixo-lhe tudo o que quiser
Meu dinheiro, minhas rosas, meu saber.
Deixo-lhe...

Se preferes uma escolha,
Saberei lhe dar.
Se te amo ou te deixo
É culpa do teu desejo.

Mas para quem nunca amou,
Dou-lhe um recado:
Errar é preciso, solidão é imprescindível.

Carolina Cancela

Nenhum comentário: