terça-feira, 20 de outubro de 2009

Mereço estar aqui agora. Sofrendo a morte que sempre desejei. Estou só como sempre quis. Ainda me rendo a teu amor aos teus prantos, vejo-lhe todas as noites a derramar mares de dores dentro de ti. Deixe-me estar com sua alma, venha visitar aqui, o lugar do nada. O nada que estou e que sou.

Henri Amaral